Naruto Portugal RPG
Sê bem-vindo ao Naruto Portugal RPG! Para teres acesso completo ao conteúdo do fórum, deves fazer Login ou Registar-te.



E o ciclo da vida repete-se! As pacíficas vilas voltam a unir-se para combater um mal em comum. Vem conhecer o melhor e mais antigo role play de Naruto, totalmente em português.
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 [Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Amaterasu

Membro | Suna
Membro | Suna
avatar

Sexo : Masculino
Idade : 26
Número de Mensagens : 2627

Registo Ninja
Nome: Nakamura Kanzaburō
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 0
Total de Habilitações: 24

MensagemAssunto: [Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte   Qui 23 Jun 2011 - 19:11

Descrição: Uma valiosa colecção de arte precisa de ser escoltada até ao País da Onda onde vive a pessoa que a comprou. A missão é proteger esta colecção e impedir que seja roubada e/ou danificada, chegando em segurança ao local onde agora pertence.

Rank: C

Personagens: Riri (personagem principal); Shiryu (personagem secundária)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ritta

Membro | Kumo
Membro | Kumo
avatar

Sexo : Feminino
Idade : 22
Localização : blank file
Número de Mensagens : 244

Registo Ninja
Nome: Sora Kondo
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 150
Total de Habilitações: 43

MensagemAssunto: Re: [Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte   Dom 26 Jun 2011 - 16:23


O sol ainda mal tinha nascido e já Riri e Shiryu estavam no lago à espera do sensei. Este tinha-lhes dito que tinha uma missão importante para eles, mas que ainda lhes precisava de dar algumas indicações.
Passado uns minutos encontrava-se em cima do lago, a olhar para eles.
- Bom dia. – Disse-lhes. – Vamos falar rapidamente, porque não se podem atrasar.
- Ok. – Disseram os dois genins em conjunto.
- Então é assim, têm que escoltar uma colecção de arte até ao País da Onda e tenham atenção que nenhuma peça pode ser roubada ou danificada. Assim que lá chegarem deve estar alguém com uma mensagem que vos indique o caminho até ao lugar onde devem deixar tudo, mas não será muito longe do porto. Tem tudo para que seja uma missão bem sucedida.
- Hai! – Disse Riri e Shiryu começando a dirigir-se para o porto.
Quando lá chegaram tinham à espera um barco de dimensões relativamente grandes, mas que era também discreto. Quando entraram viram três caixas de madeira e supuseram que fosse onde as peças da colecção estavam. As caixas não eram muito grandes mas tinham aspecto de serem pesadas. Shiryu chegou-se ao pé delas e tocou-lhes com os nós dos dedos, comprovando que estas eram resistentes.
- Rumo ao País da Onda, não é assim? – Disse Riri aproximando-se do leme. – Espero conseguir mexer nisto.
- Podemos fazer turnos para conduzir o barco e para dormir. – Sugeriu-lhe Shiryu.
De vez em quando faziam turnos. Enquanto um guiava o barco, o outro andava a passear por ali. Iam até à proa, dormitavam ao pé do mastro, divertiam-se a tentar fazer música batendo levemente nas caixas e nas outras estruturas de madeira e brincavam com o Kouji.
Quando chegou a noite Shiryu ofereceu-se para fazer o primeiro turno com a companhia de Kouji, enquanto a Riri dormia encostada ao mastro. Ao acordar para mudar de turnos doía-lhe bastante o corpo, principalmente o pescoço e espreguiçou-se durante longos minutos para ver se a dor atenuava.
Durante a noite não houve problemas, tirando as incómodas dores causadas por dormir no chão. Petiscavam algo de vez em quando, tendo cuidado para não acabarem os mantimentos rapidamente, mas sabiam que assim que chegassem a terra tinham que comprar mais coisas. Também não encontraram dificuldades em manejar o barco e o tempo tinha ajudado, assim, avistaram o País da Onda no dia seguinte ao final da tarde.
- Bem, já estamos quase! – Gritou Shiryu para Riri, que se encontrava no leme.
- Queres ficar tu aqui até lá chegarmos? – Perguntou-lhe a rapariga.
- Claro, não há problema, também já não falta muito.
Enquanto o rapaz se dirigia ao leme os braços de Riri começaram a fazer mais força para o virar. O barco não estava a ir para onde ela queria, ia sempre a direito e ela percebeu que algo estava mal.
- Depressa, vem para aqui! E vira o leme para o outro lado! Vira o leme TODO! – Gritou-lhe ela.
Shiryu nem teve tempo de reagir, apenas fez o que ela lhe tinha mandado sem questionar, pois os olhos de Riri espelhavam agora admiração e um certo terror. Quando o rapaz tomou o lugar da genin viu que estavam a ser puxados por uma corrente forte mesmo para onde havia mais rochas. O barco seria destruído rapidamente se eles não mudassem de direcção.
Riri foi a correr para o lugar onde as caixas de madeira estavam, desamarrou-as cuidadosamente e foi arranjar mais cordas. Depois gritou para Shiryu:
- Tenta prender o leme e vem ajudar-me! Temos que sair do barco e levar as caixas antes que seja tarde de mais!
O rapaz arranjou mais cordas e prendeu o leme, contudo sabia que não podiam fazer mais nada. Ou saiam a bem ou a mal. De seguida foi ter com a colega e pegou nas duas caixas que faltavam. Ele pode comprovar que elas eram mais pesadas do que aparentavam, cada uma devia pesar cerca de 10kg e ainda faltava um bom bocado até chegar à praia.
- Vamos! – Disse-lhe Riri com uma caixa nos braços, saltando para fora do barco e equilibrando-se em cima da água. – Anda Kouji!
O cão saltou a seguir a ela e depois foi a vez de Shiryu. Ele também teve alguns problemas a equilibrar-se na superfície da água e a corrente que passava por baixo dos seus pés fazia-lhe impressão.
Quando voltou a olhar para a genin ela carregava uma caixa e uma bola de pêlo molhada, que era Kouji. Assim ele percebeu porque é que a rapariga só tinha pegado numa caixa, ele esquecera-se que o cão não podia nadar ou seria levado pela corrente.
Afastaram-se rapidamente do barco que era puxado em direcção às rochas. Passado pouco tempo ouviram um estrondo que acompanhava a imagem do barco a estilhaçar-se contra as rochas, como se fosse feito de papel. Os dois genins caminharam sobre a água usando o Mizu no Kinorbiri durante uma hora até terem pé, um pouco antes disso o Kouji atirou-se à água e foi a nadar. Quando sentiram a areia seca debaixo dos pés pousaram as caixas e deixaram-se cair. Estavam exaustos, tiveram que voltar um pouco para trás e depois contornar aquela corrente e as rochas. A rapariga tinha carregando uma caixa, o Kouji e o leque metálico, e o genin duas caixas e a mochila que tinha pouco os mantimentos que restavam.
Quase que iam adormecendo na praia se o cão não lhes tivesse começado a ladrar. Eles percebiam a sua energia, ele não tinha feito nada até li, tinha sido levado ao colo apenas. Levantaram-se com dificuldade e com pouca vontade, voltaram a pegar nas caixas e dirigiram-se ao porto. Riri insistiu em levar duas caixas porque antes só tinha transportado uma, e após muito insistir Shiryu disse-lhe que sim. O que os distanciava do porto eram uns 60 metros e uma escadaria gasta e longa.
Tiveram que fazer uma pausa quando chegaram à base da velha escadaria e subiram as escadas bastante devagar e às apalpadelas à parede. Já tinha anoitecido e não havia iluminação nenhuma naquele troço. Quando finalmente chegaram ao topo ficaram felizes por ver alguns candeeiros e algumas pessoas a passear por ali.
Caminharam mais um pouco olhando sempre à volta, esperando ver alguém que lhes parecesse ser portador de uma mensagem. Contudo, foi difícil e acabaram por se sentar num banco para descansar e pensar no que fazer a seguir.
Começaram então a ver uma silhueta a caminhar na sua direcção. O Kouji sentou-se e virou a cabeça na direcção do estranho que se aproximava. Por causa da pouca iluminação eles apenas viam um vulto a aproximar-se cada vez mais. Cada um tirou uma kunai e agarrou-a, segurando-a na penumbra.


(continua)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ritta

Membro | Kumo
Membro | Kumo
avatar

Sexo : Feminino
Idade : 22
Localização : blank file
Número de Mensagens : 244

Registo Ninja
Nome: Sora Kondo
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 150
Total de Habilitações: 43

MensagemAssunto: Re: [Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte   Ter 28 Jun 2011 - 23:09


- Boas noites. – Disse o vulto ainda ao longe.
- Olá. – Respondeu Shiryu. – Posso saber com quem estamos a falar?
- Suponho que vocês são os dois genins de Kirigakure aos quais foi entregue a missão de levar uma colecção de arte. Eu trabalho para o actual dono dessa colecção e ele fez questão que eu vos trouxesse um mapa com a localização do local.
- Ah. Sim, somos nós. Como é que tinha a certeza de que estava a falar com as pessoas certas? Se a colecção é assim tão importante, devia ter mais cuidado. – Arriscou Riri.
- Tens razão jovem, mas deram-me uma descrição bastante precisa de vocês os dois. – O vulto estava agora perto deles e estava a ser iluminado por um candeeiro que se encontrava ali perto. O homem era baixo, tinha uma densa barba e o corpo era coberto por roupas escuras. – Chamo-me Katsuro. Prazer em conhecer-vos.
- Eu sou o Shiryu e esta genin é a Riri. Prazer. – Apresentou Shiryu, cauteloso. – O mapa?
- Está aqui. Mas suponho que vão passar aqui a noite. A vossa estadia já está paga. Apenas têm que se dirigir àquela casa lá ao fundo. – Explicou-lhes, apontando para uma casa iluminada por um grande candeeiro e onde se viam umas bandeirinhas coloridas.
- Hai! – Disseram os genins despedindo-se.
Shiryu guardou o mapa numa bolsa e pegou em duas caixas enquanto Riri pegava na que faltava. Caminharam apressadamente desejando chegar à estalagem depressa para poder dormir, apesar de terem a noção de que tinham que fazer turnos novamente.
A estalagem era pequena, mas acolhedora. As cores fortes marcavam-na muito e parecia ser bem frequentada. Pequena, simples e confortável, era tudo o que se tinha a dizer a cerca dela. Depois de falarem com a senhora da recepção dirigiram-se ao quarto que lhes tinha sido indicado e pousaram as caixas.
Depois de tomarem banho e comerem qualquer coisa começaram a fazer os turnos e desta vez foi a genin que começou. A noite estava calma e agradável, por isso esteve a maior parte do tempo sentada no alpendre da janela do quarto, com Kouji. Admirava a lua cheia quando uma sombra passou numa esquina e desapareceu rapidamente. O cão levantou imediatamente as orelhas e ficou à escuta. Fosse o que fosse transmitia um mau pressentimento à genin. Ela não se atreveu a mexer, com medo que isso pudesse despoletar alguma consequência negativa. Outra sombra moveu-se, desta vez mais perto. “Hm… isto não é nada bom”, pensava Riri enquanto tentava ver alguma coisa no meio da escuridão. De repente ouviu-se um barulho agudo, metálico até, e logo de seguida uma shuriken foi iluminada pelo luar. Riri tirou uma kunai rapidamente e defendeu-se da arma que vinha direita a si. Mais duas shurikens foram lançadas na sua direcção e a rapariga, com um movimento ágil, saltou para dentro do quarto puxando o cão e fechou a janela. Kouji já rosnava ferozmente lá para fora quando cinco outras shurikens partiram o vidro. Shiryu também já tinha acordado com o barulho e dirigiu-se para perto das caixas.
- Eu vou lá! Fica ai com o Kouji! – Disse-lhe Riri.
Com isto voltou a abrir as janelas e a saltar lá para fora. Como não viu ninguém saltou para o telhado à espera de ouvir mais algum barulho metálico. Quando viu dois vultos a correr na rua tirou 4 kunais, envolveu-as com o seu chakra fuuton e fez com que elas fossem direitas aos alvos. Quando estas lhes acertaram os vultos desfizeram-se em corvos que preencheram a rua.
- Bolas! – Gritou Riri, voltando a entrar no quarto.
- Então? – Perguntou-lhe Shiryu.
- Apenas acertei em dois clones. Passou-se algo por aqui?
- Apenas ficamos com uma shuriken cravada na porta. Parece um aviso.
- Não gosto disto. – Desabafou a rapariga.
- Nem eu. Vamos mas é trocar de turnos.
A partir daquele estranho encontro a noite decorreu calmamente. Shiryu fez questão de prolongar um pouco mais os seus turnos para a Riri poder descansar mais. Aquilo tinha deixado ambos em estado de alerta e a qualquer barulho tiravam as armas e empunhavam-nas, não fosse mais um ataque. Contudo eles sabiam que apenas quando o cão também ficava mais agitado é que se deviam preocupar. Por isso, a noite, apesar de calma, demorou a acabar e assim que viram a luz do dia saíram da estalagem e começaram a caminhar e analisar o mapa.
- Bem, pelo mapa não é assim tão longe. – Disse Shiryu.
- Devemos lá chegar a meio da tarde. – Completou a rapariga.
Já tinham saído da parte mais populada do País da Onda e caminhavam agora por uma estrada estreita e poeirenta. Era provavelmente meio-dia a averiguar pela posição do Sol no céu, por isso decidiram pousar as caixas e descansar um pouco. A Riri pousou as duas caixas que transportava num tufo de relva que ali havia, enquanto Shiryu pousou a única caixa que transportava no caminho de terra.
- Ufff… Parecia mais perto do que realmente é. – Disse a genin enquanto se deitava na relva.
- Shiu… Acho que estou a ouvir alguma coisa…
Quando Shiryu acabou de falar, uma shuriken apareceu vinda das árvores que estavam perto de Riri. Ela desviou-se agilmente e tirou o leque das costas, pronta para reagir a qualquer ataque. Três ninjas saltaram das árvores e riram-se com malícia para os dois genins de kiri que se encontravam à sua frente.
- Hm hm, bons movimentos, sim senhor! – Exclamou o mais alto.
- Realmente, não esperava isto. – Disse, com ar de desdém, o que tinha ligaduras nos braços.
- Até mereciam palmas! – Gozou o que trazia a bandana ao pescoço.
- Konoha, hein? – Disse Shiryu, desprezando-os.
- Prazer! – Disse Riri por fim.


(continua)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ritta

Membro | Kumo
Membro | Kumo
avatar

Sexo : Feminino
Idade : 22
Localização : blank file
Número de Mensagens : 244

Registo Ninja
Nome: Sora Kondo
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 150
Total de Habilitações: 43

MensagemAssunto: Re: [Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte   Ter 28 Jun 2011 - 23:44


E após feito o diálogo de apresentação, todos se preparam para lutar. Riri encostou-se ao leque, avaliando a situação que decorria. Nenhum dos lados queria começar, talvez para poder fazer uma melhor avaliação do grupo oposto. Mas Shiryu quebrou a monotonia gritando:
- Kirigakure no Jutsu!
Uma névoa densa engoliu o local, onde antes estava um sol radioso que iluminava tudo e que escorraçava qualquer sombra que existisse. Riri chegou-se para perto de Shiryu, agarrando o Kouji para que ele a seguisse.
- Precisamos de combinar alguma coisa. – Começou a rapariga. – Eles são genins de certeza, viste o aspecto?
- Sim. Bem, precisamos de saber as habilidades deles.
- Vamos distrai-los e depois conforme o que cada um averiguar escolhe os seus alvos.
- Hai! – Exclamou Shiryu, avançando na névoa criada por ele.
Riri puxou o Kouji para trás dela e depois abriu o leque. Concentrou chakra e depois abriu-o e agitou-o no ar, dizendo: Kamaitachi no jutsu! O que fez com que a névoa desaparece-se e apanha-se os adversários desprevenidos. Dois foram empurrados para trás, acabando por cair, mas o rapaz que tinha a bandana no pescoço não estava com eles.
- Buh! – Gritou-lhe aos ouvidos o ninja de Konoha que se encontrava atrás dela, segurando-lhe o braço esquerdo.
A rapariga sorriu para o provocar e distrair enquanto concentrava uma boa quantidade de chakra no punho. Fez um leve movimento que lhe desse a entender que ela ia tentar fugir para depois movimentar o braço direito e lhe acertar com o punho envolvido em chakra na barriga, passando-o entre o braço que estava preso pelo ninja. O ataque foi tão forte que ele largou imediatamente o braço da rapariga e cambaleou para trás, queixando-se da barriga. Riri baixou-se rapidamente e apoiou ambas as mãos no chão, enquanto esticava uma perna e tentava fazer-lhe uma rasteira, mas não lhe conseguiu acertar. Ele afastou-se agilmente e começou a recompor-se.
Enquanto ele fazia isso o rapaz mais alto começou a correr na direcção da genin e exclamou:
- Shuriken Kage Bunshin no Jutsu! – Enquanto lançava uma shuriken e elas se multiplicavam rapidamente.
Riri voltou a abrir o leque e a concentrar chakra e depois voltou a agitá-lo no ar, criando mais uma forte rajada de vento que inutilizou o ataque do rapaz de Konoha.
Ela não tinha reparado, mas o rapaz que tinha ligaduras nos braços tinha estado a preparar um ataque e pelos vistos aqueles dois apenas tinham servido para distrair. Depois de bater com as palmas das mãos no chão vários pilares de terra saíram do solo e rodearam-na, impedindo-a de sair dali. Kouji tinha estado fora da batalha, não fazia nada sem as ordens da dona, mas agora começava a ficar agitado.
Um jacto de água apareceu do nada e destruiu literalmente os pilares que prendiam Riri. Ela, com um salto ágil, saiu daquele lugar e ficou em cima de uma rocha saliente que ali se encontrava. Atrás dela mais um jacto de água foi disparado contra o rapaz que tinha a bandana ao pescoço. Ela percebeu que se tinha que encarregar daqueles dois e que o Shiryu ficava com aquele.
-Kouji! Anda cá! – Gritou a rapariga para cão. – Vais ter que os distrair! Vai, VAI!
Dito isto, o cão começou a correr em direcção aos gennins que se encontravam lado a lado. Não se conseguia perceber o que é que eles iam tentar contra o cão, mas não estavam à espera que ele fosse direitinho a eles. Passou entre os dois como uma flecha e, em seguida, começou a andar á volta deles enquanto ladrava furiosamente.
Riri sabia que não tinha muito tempo, por isso começou logo a pensar em alguma coisa para os conseguir apanhar. E foi então que se lembrou de algo que podia resultar. Tirou seis kunais e começou a concentrar chakra em quatro das armas. Elas começaram a movimentar-se à sua vontade e dirigiram-se aos inimigos. Todas elas caíram muito perto dos seus pés, o que os fez caminhar para trás. Os dois rapazes não sabiam o que fazer. Olhavam para o cão que quase espumava e não parava de andar à volta deles, o que os estava a deixar ligeiramente tontos e com aquelas kunais quase a acertarem-lhes no pés e pernas a única coisa que podiam fazer era andar mais para trás. Sentiam-se completamente encurralados e atarantados. Como estavam distraídos com o Kouji não viram a genin de Kiri a colocar uma bomba de luz em cada kunai que faltava. De seguida, apenas usou novamente o Kaiten Shuriken para as manejar e elas ficaram cravadas, cada uma, numa árvore que estava muito perto dos dois genins.
- Kouji, anda cá!
Mal o cão virou costas e começou a correr na direcção da dona, as duas bombas rebentaram e os rapazes sentiram uma dor imensa nos olhos. Por sorte a rapariga tinha tapado a cara poucos segundos antes de elas explodirem.
Assim que a luz se desvaneceu ela voltou a olhar para o cenário à sua frente: os genins de Konoha estavam ajoelhados no chão, com as mãos agarradas à cara e a lamentar-se baixinho.
Ela começou a correr rapidamente para eles, mas quando já estava bastante próxima eles começaram-se a levantar. Começou então a concentrar chakra no punho direito e acertou em cheio no peito do genin que era mais alto e que ficou logo inconsciente. Quando se virou para o que faltava viu que ele já se encontrava de pé e pronto para lutar, mas a rapariga já tinha previsto aquilo e feito mais ou menos os cálculos do tempo que demoraria até eles poderem lutar outra vez. Primeiro livrou-se daquele que seria mais difícil derrotar e deixou para o fim o outro.
- Kouji, salta! – Gritou ela, enquanto se baixava.
Quando o fez o cão saltou por cima dela, apoiou as patas nas suas costas para ter mais balanço e depois saltou para cima do rapaz das ligaduras, que estava obviamente surpreendido. Sem ter tempo para fazer nada apenas se deixou cair e ficou pálido a olhar para o Ser que tinha as quatro patas fincadas no seu tronco e o olhava como se fosse um rei. A Riri voltou a tirar mais quatro kunais e fez pontaria às mangas e calças do adversário deitado no chão. Desta maneira ele não conseguia mexer nem as mãos nem as pernas. E o terror também não o deixavam movimentar-se muito.
Shiryu chegou assim que ela tinha acabado de lançar as armas e deu-lhe um empurrãozinho.
- Muito bem Riri, demoras-te tanto tempo com dois como eu demorei só com um. – Disse-lhe o rapaz.
- Aquele com que tu ficas-te era mais ágil. Eu nem dei por ele sair da minha frente quando fiz o Kamaitachi. – Argumentou Riri, olhando para o peso morto que Shiryu transportava ao ombro. – E o que é que fazemos com eles?
- Vamos ter que os levar, também não os podemos deixar aqui… - Respondeu o rapaz, olhando para os genins de Konoha. – Mais valia termos arranjado um carrinho de mão!
Depois de atarem os três genins com as cordas que tinham trazido do barco, acordaram-nos mandando água fria para cima deles. A Riri teve que carregar as 3 caixas enquanto o Shiryu se certificava que os rapazes não tentavam fugir e os puxava para andarem. Passado pouco tempo percebeu que uma boa maneira de os fazer andar era apontar-lhes uma kunai às costas e pedir à genin para que, de vez em quando, usa-se o Kaiten Shuriken para os intimidar.
Após fazerem várias pausas para descansar, chegaram finalmente à mansão que estava assinalada no mapa.
Quando chegaram perto do portão foram impedidos de passar pelo Chunin que lá se encontrava.
- Quem são vocês? – Perguntou com uma voz áspera.
- Genins de Kirigakure. Viemos entregar uma colecção de arte. - Respondeu Riri, tentando parecer séria e profissional.
- Mas pelo caminho tivemos uns cantos problemas… - Continuou Shiryu. – Este grupo queria roubar a colecção.
- Hm… podem entrar. Deixem aí esses 3, eu encarrego-me deles.
Os dois genins e o Kouji entraram na mansão e foram logo recebidos por um homem que aparentava ter cerca de 50 anos, cumprimentou-os e depois pediu-lhes que colocassem as caixas onde estavam e que depois alguém as levava para dentro. Depois de se verificar todas as peças foi-lhes pedido que passassem lá a noite e que partissem apenas no dia seguinte. O pedido foi feito tendo em conta que o dono da mansão apesar de estar bem financeiramente e de gostar do sítio onde vivia raramente tinha visitas e a presença daquele grupo era muito agradável. Eles aceitaram e apenas partiram no dia seguinte, de madrugada.
O caminho foi feito devagar e parecia-lhes que demoravam mais tempo a percorre-lo. Contudo, chegaram ao porto ao inicio da tarde, arranjaram um novo barco e partiram de seguida. Não tiveram quais queres problemas com a viagem de barco e chegaram bem a Kirigakure, novamente.


(FIM)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ireturn

Membro | Iwa
Membro | Iwa
avatar

Sexo : Masculino
Idade : 24
Localização : Algarve
Número de Mensagens : 1660

Registo Ninja
Nome: Miki Kuran
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 750
Total de Habilitações: 85,5

MensagemAssunto: Re: [Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte   Qua 29 Jun 2011 - 10:52

Avaliação

HN

Ninjutsu: 6 + 0,5 = 6,5
Taijutsu: 3,5
Kenjutsu: 7 + 0,75 = 7,75
Genjutsu: 1,5
Selos: 2,25
Trabalho de Equipa: 4,25 + 0,25 = 4,5

HC

Força: 2,25 + 0,25 = 2,5
Agilidade: 4,25 + 0,25 = 4,5
Controlo de Chakra: 8 + 1,25 = 9,25
Raciocínio: 6,5 + 0,5 = 7
Constituição: 2,5 + 0,25 = 2,75

4/7

Recompensa: 300 ryos + 1 ponto de cumprimento + 1 scroll de novo jutsu


Actualizado
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
[Missão Particular - Riri] Escolta a Colecção de Arte
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
A tua mensagem foi automaticamente gravada. Poderás recuperá-la caso aconteça algum problema
Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto Portugal RPG :: Kirigakure :: Missões :: Missões Arquivadas-
'); }