Naruto Portugal RPG
Sê bem-vindo ao Naruto Portugal RPG! Para teres acesso completo ao conteúdo do fórum, deves fazer Login ou Registar-te.



E o ciclo da vida repete-se! As pacíficas vilas voltam a unir-se para combater um mal em comum. Vem conhecer o melhor e mais antigo role play de Naruto, totalmente em português.
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Treino Terceiro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Shibiusa

Administrador | Konoha
Administrador | Konoha
avatar

Sexo : Feminino
Idade : 26
Localização : Jardim à beira-mar plantado
Número de Mensagens : 3515

Registo Ninja
Nome: Ayame Midori
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 5470
Total de Habilitações: 228,5

MensagemAssunto: Treino Terceiro   Sex 14 Set 2012 - 21:59

Aviso: Descrição exaustiva por ser um treino diferente. Talvez tenha exagerado nisso, mas pronto, queria ver se ficava o melhor possível nesta minha tentativa de algo diferente. Gostava de ter o feedback do admin que avaliar isto, por favor.

Treino Terceiro
~ Machismo e Ocupação ~
Introdução do treino para contextualização, não obrigatória a leitura para avaliação:
 
- É claro que irás pagar por isto.
Ele acabara de dizer que ela ia pagar? Ayame não entendeu.
- A esponja está ali na bancada, bem como o líquido lava-loiça. A vassoura está na despensa, aquela porta ali à direita – continuou ele, apontado para os locais que referira. Levantou-se, foi ao quarto buscar o livro que estava a ler e sentou-se no sofá. Assim que o fez, exclamou: - Quando terminares, avisa.
Ayame ficara em choque a olhar para ele. Nunca esperara aquela atitude.
- Estás a falar a sério?
Ele olhou por cima do ombro, para onde ela se encontrava, e a gennin reparou que os seus olhos brilhantes encontraram os dela, fitando-a e deixando-a sem escapatória. Estava a falar seriamente.
- Claro que estou. Ajudei-te. Tiveste uma refeição de borla e tudo. Portanto, hora de retribuir. E deixei-te a parte mais fácil; as mulheres têm jeito para a limpeza.
- Isso é incrivelmente machista! – barafustou ela, indignada.
- As mulheres falam sempre em igualdade de direitos e o que mais. Se eu faço algo por ti, tu fazes algo por mim. Não tens qualquer tipo de argumento para contra-atacar o que disse.
E voltou ao seu livro depois de a deixar sem qualquer escolha. Ele tinha razão, era justo retribuir, ainda que fosse de uma maneira completamente fora do convencional. Hikaru lá devia ter as suas razões.
Por isso levantou-se e colocou os bancos de ferro debaixo da bancada de granito. Procurou a esponja e o líquido onde ele tinha indicado e colocou-os em cima do lava-loiça. Colocou os pratos uns em cima dos outros, os pauzinhos em cima de tudo e voltou à bancada para buscar os copos. O fogão ainda tinha o wok, a bacia dos vegetais e uma colher de pau, com o qual mexera os noodles. Pegou neles e colocou-os na bancada ao lado do lava-loiça para ser a última coisa a lavar. Pegou num dos pratos e esfregou-o rapidamente, pousando-o e passando ao seguinte. Esfregou os copos e a colher de pau, bem com a bacia, tudo com uma grande destreza e velocidade. Os anos que passara a ajudar a família tinham-lhe fornecido uma boa experiência. Passou cada um deles por água e colocou-os a secar na bancada. Aquela estratégia seria a melhor para poupar água, ao invés de manter a água a correr ou lavar cada objecto de cada vez. Passou de seguida ao wok, que tinha que esfregar mais vigorosamente para garantir que saíam todos os vestígios de gordura e comida que pudessem ficar. Virou a esponja ao contrário, para utilizar a lixa inicialmente e assim conseguir retirar todos os restos. Passou por água para ver o estado do wok. Ainda sentia a textura gordurosa ao passar os dedos. Passou a lixa novamente, com força e velocidade. Quantas mais vezes conseguisse passar nos mesmos sítios, melhor. A água relevou um bom trabalho. Para finalizar, passou com a esponja, limpou e colocou a secar. Para limpar a esponja do líquido de lavar, apertou-a por várias vezes debaixo de água corrente. Secou as mãos no pano mais próximo, colocado sobre a asa do forno. Deu por si a reparar que estava um pouco cansada. Devia ter feito as coisas com mais calma, isso era um facto.
- Já está? – perguntou Hikaru. Uma vez mais, não olhou para ela, absorvido pelo livro. Ayame perguntou-se se ele a estaria a evitar. – Agora vai arrumar o futon dentro do armário do corredor e varre o chão deste andar.
- Mas a casa está impecável…
- Quem te disse que não é um genjutsu para pensares que estás numa casa impecável e XPTO e estás numa espelunca?
- Esse seria o genjutsu mais inútil de sempre…
- Ayame… - suspirou ele, pousando o livro na mesa. Levantou-se e encostou-se nas costas do sofá, para ficar directamente virado para ela. – Nunca imaginei que fosses tão queixinhas.
A gennin corou e virou a cara. Estava a ser repreendida; era embaraçoso.
- E não sou… Apenas não vejo o sentido de fazer tudo isto…
- E se eu te dissesse que é um treino?
-Huh?
Ele pausou e sorriu. Os seus olhos fitavam-na com um misto de divertimento e gozo. Mas iria ser sincero com ela.
- Em tudo o que tu fazes, estás a treinar componentes básicos para o combate. Não é só batalhas e jutsus. Podes aplicar e desenvolver força, velocidade, agilidade, destreza em praticamente tudo o que fazes. E todas essas componentes são necessárias para te desenvolveres enquanto kunoichi – fez uma pausa. Reparou na cara da rapariga, que parecia compreender o que ele estava a dizer. – Que seria de ti sem força? Sem agilidade? Se não fizesses algo na tua vida e a tua constituição fosse frágil? Percebes agora?
Ayame baixou os olhos para não o encarar. Devia ter confiado mais nele.
- Mas isto não deixa de ser machista… - murmurou.
Hikaru não conseguiu conter um riso.
- Ok, até posso aceitar isso – confessou num gracejo. – Mas agora deixa lá de te queixar e faz as coisas, que é para o teu bem.
Quando viu que a rapariga anuíra, voltou a pegar no livro e a sentar-se no sofá. Continuaria atento a ela, mas sabia que ela faria um bom trabalho. Inútil, mas fá-lo-ia. O facto de gostar de ter sempre tudo arrumado não estava a facilitar e a desculpa do genjutsu era pouco convincente. Ninguém teria um genjutsu de fazer a casar parecer suja. Pelo menos, não deveria haver nenhum com aquele efeito, ainda que pudesse haver algum que fizesse o outro ver isso se fosse um dos seus medos. Sorriu com a ideia e voltou ao seu livro.
A kunoichi subiu as escadas, localizadas entre o hall e a grande divisão do rés-do-chão onde estivera e que incluía a cozinha, a sala de jantar e a sala de estar. Entrou na segunda porta, que era o quarto de Hikaru. Arrumou a almofada dentro do guarda-fatos e puxou o lençol com força, que se soltou facilmente. Dobrou-o cuidadosamente para ocupar pouco espaço. Olhou para o futon, tentando perceber como o arrumar. Era pesado e grande, nada comparado com a leveza do lençol. Acabou por atirar a almofada para o lado e puxar a parte de cima do futon para estar equiparada à parte de baixo e ser mais fácil de arrumar. Puxou a parte de baixo do futon e dobrou-o duas vezes. Pegou nele e desequilibrou-se por um momento com o peso daquele fardo. Empurrou-o para dentro do guarda-roupa e colocou a almofada no topo. Reparou nas almofadas amarrotadas em cima da cama, onde Hikaru estivera encostado. Porque não deixá-las como deviam estar? Pegou numa das três almofadas e espalmou-a entre as mãos com força e rapidez para lhe devolver a forma. Colocou-a no sítio e fez o mesmo com as outras duas almofadas. Não havia mais nada desarrumado naquele quarto, por isso desceu.
Para onde quer que olhasse, tudo parecia estar perfeito. Mas iria varrer aquele andar inferior apenas para calar Hikaru e fazer o treino que ele tinha programado, ainda que se questionasse se realmente estaria planeado ou ele estava apenas a juntar o útil ao agradável. Abriu o armário em frente das escadas e tirou de lá a vassoura e o apanhador do lixo para começar a tarefa. Queria despachar-se daquilo.
Começou pela cozinha, visto que tinha sido o espaço mais utilizado por ambos e não tinha mobília que necessitasse de ser movida para varrer. Moveu a vassoura da direita para a esquerda em movimentos pequenos e rápidos, dirigidos a um ponto em comum, próximo do local onde tinha colocado o apanhador. A zona foi facilmente varrida devido ao seu tamanho reduzido. Varreu rapidamente a acumulação de pó para dentro do apanhador e passou para a sala de jantar, uma das divisões incorporada na grande divisão do rés-do-chão. Varreu rapidamente à volta da mesa de jantar e da mesa divisora entre a cozinha e a sala de jantar e puxou cada uma das seis cadeiras para fora da mesa, de forma a limpar em baixo desta mais facilmente. Teve que se baixar e inclinar para a frente para o fazer mais eficazmente. Os seus ombros fizeram um estalido ao serem estirados com aquele movimento alongado e lento. Passou a vassoura várias vezes para limpar tudo e varreu o lixo acumulado para cima do apanhador. Por mais que olhasse, Ayame achava que o seu trabalho estava a ser inútil e suspirou. Voltou a colocar cada uma das cadeiras no seu respectivo local e voltou-se para a sala de estar, na qual estava Hikaru sentado num dos sofás. Não conseguiria mover os sofás sozinha, especialmente com ele sentado em cima de um deles.
- Podes dar-me uma ajuda, por favor? – pediu.
Os olhos enigmáticos de Hikaru encontraram os seus. Nada disse. Apenas se levantou e foi sentar-se numa das cadeiras da sala de jantar, deixando a área livre para que ela a limpasse. Não iria ceder no suposto treino nem sequer ajudá-la. A rapariga suspirou. Não deveria estar surpreendida.
Pegou na mesa de centro e arrumou-a num canto, preparando-se para a árdua tarefa de mover a carpete. Curvou-se e, com um movimento de força uniforme, começou a enrola-la. Quando a tinha finalmente em forma de cano, deslizou a porta para o jardim e lançou a carpete sobre o ombro para a carregar mais facilmente. Estendeu-a no muro que separava a casa de Hikaru da do seu vizinho e deixou-a repousar. Devia varrer primeiro a área. Pegou num dos lados do sofá e puxou-o para trás, repetindo a acção do outro lado para o empurrar. Novamente utilizando força, fez o mesmo ao segundo sofá para o mover; primeiro de um lado, depois do outro. A vassoura estava a repousar na cadeira em frente de Hikaru, junto do apanhador. Deslocou-se para junto dela e começou a varrer a área até à sala de estar. Avançou para varrer o centro da sala e a área que ficaria em baixo dos sofás rapidamente e acumulou o suposto pó no mesmo sítio onde ficara antes. Com apenas 3 gestos rápidos, varreu tudo para o apanhador e deixou-o de lado. Levou a vassoura para o exterior, batendo com ela forte e rapidamente na beira do degrau que dava para o jardim para levantar o pó que pudesse ter. Sacudiu a carpete da mesma forma, com gestos amplos, de forma a libertar a sujidade. Assim que se viu satisfeita com o seu trabalho, tentou enrolá-la para a levar para o interior com algumas dificuldades. Pousou-a no degrau da pequena esplanada e voltou atrás para buscar a vassoura e abrir a porta para o interior. Colocar a carpete no sítio fora o mais simples, visto que apenas precisara de a desenrolar. Ainda tinha que voltar a colocar os sofás no sítio. Suspirou.
Hikaru continuava absorvido pelo seu livro. Não deveria ter olhado para ela uma única vez e não parecia que iria ajudar. Era melhor terminar o que estava a fazer para se despachar.
A rapariga utilizou os dois braços para levantar um lado do sofá com a sua força e coloca-lo no seu respectivo lugar, repetindo o gesto para o outro lado. Quando estava satisfeita com o posicionamento, dirigiu-se ao sofá seguinte. O seu ombro estalou ao levantar um dos lados do segundo sofá, embora sem dor. Estaria a abusar no peso que os seus ombros aguentariam enquanto alavancas? Desvalorizou o assunto e acabou por posicionar o sofá como estava antes. Faltava apenas varrer o pequeno corredor onde tinham estado os sofás. Pegou na vassoura e, em menos de um minuto e com movimentos rápidos, despachou a tarefa. Varreu tudo para o apanhador e foi colocar o lixo no caixote em baixo da banca da cozinha. Arrumou a vassoura e o apanhador do lixo do armário de onde os tinha tirado. Apanhou um susto quando se voltou para voltar para a sala. Hikaru estava ao seu lado e nem dera pela presença dele.
- Distraída – apontou ele, dando-lhe uma pequena pancadinha na testa com a ponta de dois dedos. Tirou uma pequena caixinha do bolso do seu colete, que estava pendurado no cabide da entrada, e atirou algo do seu conteúdo a Ayame. – Vai-te fazer bem.
- Hum… Uma pastilha energética? Reconheço isto… – perguntou a gennin, surpreendida pela atitude do sensei. Não fazia ideia que ainda lhe restava algum pedaço de bondade. Tornava-se difícil compreender o que passava pela cabeça dele.
- Também compro coisas à tua família. Toda a gente sabe o seu valor. É para as tuas possíveis dores musculares. Considera-o um reconhecimento pelo teu bom trabalho – explicou ele, passando por ela ao colocar a mão na cabeça dela, como se ela fosse uma menina pequena. - Anda, eu acompanho-te a casa.

---
Notas da autora:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Suaztik

Administrador | Konoha
Administrador | Konoha
avatar

Sexo : Masculino
Idade : 21
Localização : Sátira Diária
Número de Mensagens : 1242

Registo Ninja
Nome: Takada Rokusho
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 0
Total de Habilitações: 24

MensagemAssunto: Re: Treino Terceiro   Sex 14 Set 2012 - 22:24

:medo:

Reservado



H.N.

Ninjutsu: 7,75
Taijutsu: 3,25
Kenjutsu: 3,5
Genjutsu: 3,75
Selos: 4,75
Trabalho de Equipa: 2

H.C.

Força: 1,75 + 1 = 2,75
Agilidade: 5 + 0.5 = 5.5
Controlo de chakra: 6,5
Raciocínio: 3,25 + 0.25 = 3.5
Constituição: 4,5 + 0.5 = 5

Total: 2.25/7
Total de Habs: 40.5 + 2.25 = 42.75

Comentário: Ora, o quê que eu posso dizer sobre este treino... Foi diferente! Nunca tinha visto um treino assim, a arrumar uma casa. E na verdade, nem te saíste mal. As tuas descrições são ótimas, o que me leva a crer que fizesses um trenio dito "normal", ias ter pontuações astronómicas, not kidding. A escrita sempre muito boa. Se achares que está alguma coisa mal, avisa. Tudo atualizado.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Shibiusa

Administrador | Konoha
Administrador | Konoha
avatar

Sexo : Feminino
Idade : 26
Localização : Jardim à beira-mar plantado
Número de Mensagens : 3515

Registo Ninja
Nome: Ayame Midori
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 5470
Total de Habilitações: 228,5

MensagemAssunto: Re: Treino Terceiro   Seg 17 Set 2012 - 0:51

Obrigada, Suaz! ^^
Compreendeste o objectivo deste treino diferente? Como podem ser treinadas outras componentes sem ser através da batalha normal? Era esse o meu objectivo. Se realmente for fácil de compreender como se deve avaliar, começo a introduzir mais coisinhas assim nos treinos para não ser sempre a mesma coisa típica, algo como fazer uma tarefa e depois fazer um pequeno treino ou assim. Pelo menos, torna-se menos maçador para mim enquanto escritora (se tiver só batalha, acabo por perder a motivação) e até é uma grande ajuda para mim enquanto estudante (para a faculdade) ter que decompor as actividades para as descrever. ^^
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado





MensagemAssunto: Re: Treino Terceiro   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Treino Terceiro
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
A tua mensagem foi automaticamente gravada. Poderás recuperá-la caso aconteça algum problema
Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto Portugal RPG :: Konohagakure :: Treinos :: Treinos Arquivados-
'); }